Comissão da Mulher Advogada prepara amplo calendário de atividades para 2023

A Comissão Nacional da Mulher Advogada (CNMA) debateu, entre quarta-feira e quinta-feira (18/1 e 19/1), os temas que serão prioritários para o trabalho neste ano. O calendário de atividades também foi discutido, para que as mulheres advogadas sejam atendidas em diversas dimensões, ao longo de todo ano. As articulações seguiram pelos dois dias, passando pelas efemérides mais importantes para a pauta das mulheres, definindo ações, organização das tarefas e reflexão sobre as campanhas de comunicação. 

O grupo também mantém conversas sobre atividades e demandas que fortaleçam o trabalho das diretoras das comissões da Mulher Advogada (CMA) nas seccionais ao longo de 2023. A vocação da OAB para a atenção à sociedade se mostra também na CNMA, que pretende promover ações em escolas e outras instituições, além de cursos de formação.

Um dos planos em elaboração é um curso direcionado às lideranças femininas do Sistema OAB, que envolverá tanto desenvolvimento profissional quanto pessoal, com intuito de investir no desenvolvimento das mulheres. O piloto do projeto de autodesenvolvimento foi em Sergipe e, diante da repercussão positiva nas redes sociais e nas seccionais, a ideia é ampliar e levar para todas as regiões do país. 

Há a elaboração de cursos de formação para atuação em casos que se enquadram na Lei Maria da Penha, mas também debate com a rede básica de ensino, em conversas sobre o cumprimento da legislação. Desde o ano passado é lei a instituição da “Política de Divulgação da Lei Maria da Penha nas Escolas”, com o objetivo de sensibilizar a comunidade escolar sobre a violência doméstica e familiar contra a mulher. 

Cristiane Damasceno, presidente da CNMA, coordenou os trabalhos. “Começamos este ano com a diretoria da Comissão Nacional da Mulher Advogada preparando os melhores projetos para 2023, visando você, mulher advogada. Discutimos aqui pautas que são de alta relevância para a advocacia feminina. Ainda com a nossa campanha de combate ao assédio, e também apresentação de projetos de lei, de combate à violência doméstica, também política, institucional e processual.”

Advocacia sem assédio e outras campanhas

A presidente explica que o plano é ter uma bandeira prioritária por ano de gestão. Em 2022, a campanha Advocacia sem Assédio teve destaque. Neste ano, ela segue crescendo. Mas outros temas também ganharão atenção e foram definidos e aprofundados na reunião entre Cristiane Damasceno, a vice-presidente, Rejane da Silva Sánchez, a secretária, Christiane Leitão, e a secretária-adjunta, Sinya Gurgel Juarez.  

 “Nós não nos esquecemos também dos projetos de desenvolvimento pessoal e profissional. Esse ano de 2023 já começou agitado. Estamos trazendo para o mês de março — e eu vou dar um spoiler — o maior projeto de desenvolvimento pessoal e profissional que a advocacia feminina já viu. Para incentivar, motivar, dar ideias, abrir e te tirar da caixa. Abrindo novas e boas possibilidades”, contou Damasceno.


Source: New feed

X